Blog do Paulo DAuria

30/05/2017

A Linha

 

um livro de sonhos
pra decifrar poesia
e uma rima toante
para enfrentar a vida

Poesia política
é qualquer poesia
poesia de amor
é toda poesia

tudo é certo
mas tá tudo errado
toda poesia é lírica
todo poema, concreto

a vida não rima
mas a gente segue
na reta sem métrica
colando asa
planejando esboço

é assim poesia
a linha entre fantasia e loucura
vida
solidão
e jornada
caminho
alegria
e topada
visão
cegueira
e porrada

tudo na vida é sonho
tirando a poesia
não sobra nada


Escrito por Paulo DAuria às 01h55
[] [envie esta mensagem] []


22/05/2017

Oficina de Literatura

Tudo o que precisa saber
ao se tornar poeta
é que os movimentos literários
coincidem com o movimento das marés:
Romantismo, lua cheia
Parnasianismo, 90 60 90
Haicais, uma polegada a mais
Poesia Concreta, eu e você.


Escrito por Paulo DAuria às 22h47
[] [envie esta mensagem] []


16/05/2017

Correio Elegante

 

A gente escrevia correio elegante em asa de borboleta, lembra? Depois a eternidade acabou e os casulos secaram nas árvores derrubadas esperando a transformação.

A gente escrevia esses bilhetes prenhes de promessas em pés de vento e se queimava ao pular a fogueira acesa em olhos de gelo e na brasa da esperança. Depois a eternidade chegou atropelando olhos e horizonte.

É assim o tempo: esse não sei explicar que a gente nem sabe que existe até que chega derrubando tudo.

Tem quem reaja rezando um terço. Tem quem amaldiçoe. E tem a gente, juntando contas coloridas e olhando pra dentro de si e do outro, esperando a próxima revoada.

 



Escrito por Paulo DAuria às 21h17
[] [envie esta mensagem] []


25/02/2017

Processo

Antes, sem sinais,
um passarinho foi arrastado ao meu quintal
depois veio a ventania, depois, a tempestade


Uma escola de samba perdeu tudo
o trabalho e o suor de um ano da comunidade no barracão
Um homem foi arrastado pela enxurrada
Um raio caiu em um campo de futebol
Em um deslizamento de encosta
dezessete famílias perderam tudo
mas
rodamoinho-me na espiral infinita de meu quintal
o passarinho morto
o ninho em algum lugar, vazio
minhas mãos se fechando em concha
e a lápide provisória de meus dentes

Li
em um livro de autoajuda
que deveria enterrar mas
fiz melhor
e engoli o passarinho
que agora bate asas nestes versos
Asas que, com minha alma, em meus intestinos se processam
em um olho só

Fiz melhor e engoli o passarinho: três dias de luto.
Quando tudo passar
terei
o vazio
O vazio para viver
O vazio para lembrar
Ninho oco
para dormir
em paz


Escrito por Paulo DAuria às 20h22
[] [envie esta mensagem] []


01/12/2016

O caso do duende doente e o papai-noel mafioso

Feito um apaixonado que roubasse
de sua amada não beijos
mas a carteira mesmo,
ou um artilheiro que roubasse
a bola do jogo antes da grande final,
ou um carteiro que roubasse os selos
das cartas nunca escritas,
quem entende?
teve esse duende doente
que roubou do papai-noel

Tá certo que papai-noel
era o maior ladrão de todos,
cabeça da máfia dos brinquedos
que envolvia as indústrias multinacionais
em busca de lucros a qualquer custo

 

Papai-noel, com seu passaporte diplomático
comprava brinquedos baratos
de segunda linha, na China,
e revendia caro
explorando pobres pais e mães pobres
do terceiro mundo!

 

Mas se papai-noel não merecia respeito
o doente do duende ao menos
devia ter pensado nas crianças
essas almas que são pura
esperança

 

O esquema do duende era o seguinte:
em cada 30 brinquedos, desviava vinte!
Com tamanha cara de pau
parecia até que o duende
queria ser pego!

 

E foi!
Quem descobriu o desvio
foi uma rena cagueta
que tava envolvida na treta mafiosa
do papai-noel

 

A rena não teve pena
e chamou a PM
que enquadrou o duende
e o jogou numa cela
junto com um careca ladrão de pente,
a fada que roubou a dentadura da fada dos dentes,
e a bruxa gulosa que roubou a maçã da bela adormecida
e ganhou o beijo do príncipe de graça
quando só queria encher a pança!
Tudo gente barra pesada!

 

Pobre duende, apodrece na cadeia,
É certo, não injustamente
mas o chefe da máfia dos brinquedos
o bom velhinho que não era tão bonzinho
continua livre voando pelos céus
enganando todo mundo
o malvado do papai-noel!


Escrito por Paulo DAuria às 10h07
[] [envie esta mensagem] []


06/03/2016

Beijo, abraço, aperto de mão

 

Quer pegar meu filho no colo pra sair na foto. Comer comida aqui da favela. Que nunca viu. Nunca ouviu falar. E depois? Vai voltar? Vai responder nossas cartas? Vai receber nossas passeatas? Vai lembrar?
Quer pegar meu filho na foto pra dar um beijo. E esse sebo em teus cabelos? E esse cheiro na camisa? Cheiro de rico. Vai que o menino enjoa. Gorfa. Vai que gosta. E depois vai lavar as mãos, vai desinfetar, passar na boca água com sabão? E a camisa, vai botar no lixo?
Quer pegar meu filho no colo pra quê? Não tem o seu? Mas o seu tem babá, não tem? Tem quem receba pra pegar no colo, pra abraçar, pra beijar, pra amar. O amor que teu filho aprende já tem preço, meu senhor. Quer meu filho, então, pra quê?
Quer pegar meu filho. Não. Dá o menino aqui.
Dá um abraço em mim, se quiser. Quer?
Se tiver coragem. Tem?
A roupa é a mesma de dez dias. Tá suja. Tava catando latinha pra vender. Catando resto pra comer. A mão tá suja. A cara. Quer beijar?
Quer beijar meu filho? Dá um abraço em mim, se quiser. Se tiver coragem. Quer? Tem?
Eu te dou, meu senhor. Eu te dou um abraço.


Escrito por Paulo DAuria às 18h39
[] [envie esta mensagem] []


18/12/2015

Modesto

tem quem pense que a poesia é tudo (poucos)
tem quem ache que a poesia é nada (muitos)
eu sou mais realista: não acredito na física
sei que a poesia é a matéria que constitui o mundo
o pó que havia antes das estrelas
a energia que faz o mundo

girar e parar
no ar

tem quem pense que poesia tem quer social
tem quem ache que se for social não é poesia
eu não brigo
poesia cada um tem a sua
um abismo em cada umbigo
um espanto em cada canto

eu vivo da poesia barata que cato no meio das latas dos ratos
tem quem prefira os literatos
a poesia é um vale tudo
briga de rua e tapas de pelica

eu passo longe
não faço isso pra mudar você
sou mais modesto:
só faço poesia pra mudar o mundo


Escrito por Paulo DAuria às 16h04
[] [envie esta mensagem] []


07/07/2015

Meio a Meio

Marcos e Washington cresceram como irmãos. Carne e osso. 

Dividiram de brinquedos a namoradas. Baladas sempre juntos. A primeira carreira, idem: uma rapinha pra cada.
Marcos e Washington tinham 16 mas eram safos. Sócios no tráfico. Negócio próspero. Clientela boa. Rapaziadinha do Morumbi. Pagavam por proteção e a polícia dava uma força.
Mas uma hora tinha que dar merda. Sempre dá.
Mudou o comando da polícia. O novo delegado do distrito não se contentava com mesada, queria uma parte nos lucros.
A negociação foi dura, mas Marcos e Washington acabaram concordando. Eram eles que tinham a perder.
Mas todo mês o delegado queria mais. Mais todo mês. Mais e mais.
Naquela noite os meninos tavam chapados. O polícia apareceu com o recado:
— O delegado agora quer metade. Meio a meio.
— Mano! Cê tá doido? Meio a meio? Quem vai trabalhar na boca? Você?
— Pra começo de conversa, Mano é o caralho. Me chama de senhor, seu moleque! No mais, só tô passando o recado do doutor.
O polícia deu um tapinha “amigável” na cara de um, o outro não gostou, empurrou o polícia. O polícia botou a mão na arma, o primeiro já tinha sacado a sua. Dois pipocos na cara.

“Tá limpo! Tá limpo! Meu pai paga tudo! Advogado, tudo. A gente vai sair dessa juntos, irmão!”

Marcos era filho do doutor Wagner, morava no Morumbi. Washington era o filho da Dona Irene, a empregada. Morava na casa com a mãe. Cresceram como irmãos, Carne e osso.

“A senhora está despedida”

Quem deu o tiro?
Marcos ou Washington?
Quem apresentou a cocaína pra quem? Quem montou o negócio? Quem?

Marcos teve os melhores advogados, se livrou. Marquinhos é gente boa. Tem a vida pela frente. Errou. Foram as más companhias.
Washington e Dona Irene não tinham dinheiro pra advogado algum. Nem precisaram. O juiz foi rápido e eficiente: 30 anos.

Marcos nunca visitou Washington. Cresceram como irmãos. Nunca mais se viram.
Hoje faz cinco meses que Washington saiu. Dona Irene morreu há dois anos. Washington ainda não arrumou emprego, mas já arrumou um cano. Gente ruim, não tem jeito.
Marcos assumiu a empresa do pai. Está em sua Mercedes parado no sinal vermelho... — O que não é o destino?


Escrito por Paulo DAuria às 14h38
[] [envie esta mensagem] []


15/04/2015

Tudo Azul

 

Tudo azul, capa do celular, camiseta nova, tênis última moda. E crachá pendurado no pescoço. Envelope debaixo do braço, hora do almoço.
10 anos, não mais, que mal tem trabalhar?
Idade de estudar?
Idade de brincar?
Que mal?
10 anos já inserido no mercado de consumo, na sociedade do trabalho.
Tudo azul, capa do celular, camiseta nova, tênis última moda. Tá bonitinho, o pretinho.
Tudo azul. Mora um pouquinho pra lá da Sul. Duas horas, não mais, ele vem. Duas horas ele volta, não mais.
Tempo de brincar.
Tempo de estudar.
Deixa ele trabalhar, depois tem tempo de descansar: Quando crescer vem trabalhar de porteiro, se muda aqui pro centro. Quer mais?
Isso se não tomar uma bala perdida.


Escrito por Paulo DAuria às 21h31
[] [envie esta mensagem] []


28/02/2015

A Raposa, O Lobo e As Galinhas

 

 

Certo dia, em um galinheiro não muito longe daqui, uma raposa foi eleita para tomar conta do pedaço. Mas logo as galinhas começaram a ficar descontentes, pois alguém começou a espalhar boatos que a raposa estava comendo pintinhos na calada da noite. Os boatos foram aumentando e as provas começaram a aparecer: penas de pintinhos eram achadas aqui e ali ao amanhecer. Aparentemente a raposa estava ficando confiante e relaxada, e nem se preocupava mais em esconder seus malfeitos.

Foi então que um lobo, velho conhecido, que já havia sido eleito para tomar conta do galinheiro anos atrás e o havia largado aos frangalhos, reapareceu cantando de galo, “É tudo culpa da Raposa!” Vocês botaram a raposa pra tomar conta do galinheiro e vejam o que aconteceu! Eu sou mais forte que ela, me deixem expulsá-la daqui que eu boto ordem nesse galinheiro!”

As galinhas tinham memória curta e os boatos estavam tomando proporções nunca vistas. Além disso, foram tantas as promessas do lobo, que as galinhas se deixaram levar por sua astúcia. Depuseram a raposa e reconduziram o lobo ao posto de guardião do galinheiro.

 

O final dessa história, caros leitores, me recuso a contar, pois não sou dado a contos de terror.


Escrito por Paulo DAuria às 00h08
[] [envie esta mensagem] []


14/02/2015

O Falecido

— Essa noite sonhei com o falecido.

— Qual deles, velhinha, o meu pai ou outro?
— Só existe um falecido! Falando assim você ofende a memória dele! E ofende a mim!
— Sei...
— Mas sonhei. Sonhei e ele me disse que você não está escovando os dentes com copinho, que está deixando a torneira aberta! Desperdiçando água.
— Ah, mãe, faz favor, né?
— Faz favor o quê? Você não vê tv? Não sabe da crise...
— Crise hídrica? O nome disso é incompetência administrativa! Choveu ontem e — olha, olha pela janela — vai chover já já de novo! Crise hídrica... isso se chama governador ladrão!
— Não fala mal do governador! (Tão lindo ele, aquele nariz adunco... — adunco... é assim que se fala? — Me lembra o falecido... ou algum astro do cinema... não me lembro bem qual...)
— Não falo mal, falo a verdade! Roubou o dinheiro da Sabesp e largou a gente sem água.
(Esse menino ainda acaba preso. Não respeita autoridade)
(Velha louca! Tem cabimento o falecido aparecer pra dedurar que não uso copinho pra escovar os dentes?!)

 

— Mãe, olha, te comprei esses baldes aqui. Guarda água pra eu poder tomar banho quando chego em casa.
— Guardar água? Precisamos economizar, não vou ficar enchendo balde!
— Pro meu banho, velhinha.
— Vem mais cedo pra casa. Mais cedo tem água.
— Custa guardar uns baldes d’água?
— Custa chegar mais cedo? Ver novela com a sua mãe?
(Era só pegar o travesseiro e enfiar na cara dela... Quem ia desconfiar? Já tá fazendo hora extra mesmo. Velha doida)
(Esse menino tá envolvido com droga. É droga isso. Não sou trouxa)
(Melhor ainda. Podia afogar ela num balde! Justiça poética. Coitada da velha)
(Droga! É droga! Qualquer dia esse porra me mata! Ah, que falta faz o falecido... Ele era homem de meter esse pirralho na cadeia!)

 

— Olha, olha, filho! O governador vai falar!

— Grande merda. Tô saindo.

— Vai aonde?

— Vou tomar banho na casa da Lurdinha. Ela botou uma caixa de três mil litros, a água não acaba nunca!

— Três mil litros! Valha-me, Deus!, que isso é até pecado!

(Coroca)

(Viado comunista)

"3... 2... 1... Está aberta a cadeia regional de televisão para o pronunciamento do excelentíssimo governador do Estado de..."

 

Viu o pronunciamento do governador na casa da Lurdinha?

— Eu lá tenho tempo pra isso?

— O negócio é sério, bebê...

— Ô, velhinha, há quanto tempo não me chama de bebê...

— Essa noite sonhei outra vez com o falecido...

— Ah, mãe, não me vem de novo com essa história de copinho, hein?

— Não. Ele veio me alertar, pedir pra você tomar cuidado aí nessas manifestações que você anda... Essas coisas de internet — internet, né? É assim que se fala? — Enfim, essas coisas aí que você se mete.

— Mãe, eu nem tenho perfil nessa bobagem de Face, isso é um grande Big Brother.

— Ai, filho, você viu o Big Brother? Aquele grandão, o loiro, sabe?, é tão lindo, né?

— Ê, mãe, respeite o falecido!

— O quê? Você me respeite!

— Toma, a Lurdinha mandou bolo de fubá pra você!

(Devia ter botado veneno!)

— Por que você não se acerta logo com essa menina?

(Pelo menos é mulher, né? Porque antes dela era aquele barbudo!)

— A Lurdinha não é nada minha, só companheira de célula.

— Quê...?

— Tamos partindo pra luta armada contra os babacas do impeachment.

— Puta que pariu!

— Mãe! Qué isso?! É brincadeira!

— Pois nem brinque! Nem brinque!

(Dessa vez quase matei mesmo, do coração! Velha louca!)

(Ai, que falta faz o falecido! O falecido era homem de ensinar ele a comer essa Lurdinha direito e parar com viadagem!)


Escrito por Paulo DAuria às 02h52
[] [envie esta mensagem] []


07/02/2015

Científico

 

Uma expedição científica — arqueólogos, historiadores, biólogos, físicos etc — foi enviada para descobrir se um dia existiu amor, coração, poesia enfim em SP. Os aparelhos pareciam indicar debaixo de um primeiro nível de rochas sólidas algum registro de atividade emocional. De fato, depois de poucos dias de pesquisa as primeiras relíquias começaram a ser escavadas nas periferias da cidade. Era grande a quantidade de objetos encontrados nos locais das escavações: livros, olhares trocados, cartas de amor, poemas, esperanças, abraços. Os cientistas estavam animados, porém altos níveis de contaminação por sangue não permitiram que se restaurassem esses preciosos documentos, alguns totalmente destruídos por perfurações à bala. Desesperançosos os cientistas abandonaram o local. Alguns começaram a lançar suas hipóteses, tudo indicava que o amor havia sido exterminado em SP. Talvez por força de ordens oficiais. Esses cientistas no entanto foram afastados da expedição e mandados de volta a seus locais de origem.

Tempos depois descobriu-se um coração vivo enterrado em uma curva do Tietê. Um coração crivado de flechas tupinambás. E pulsante. E pulsante. Logo se descobriu outro debaixo do Pátio de Colégio e outro no espigão da Paulista. E outro e outro e outro. Coisa antiga. Eram milhares. Espalhados por toda cidade, dezenas de metros abaixo da terra, centenas de anos escondidos na História. Todos vivos. E pulsantes. E pulsantes. Todos cravados de flechas tupinambás. Arrancava-se as flechas e os corações morriam. Era preciso deixá-las enterradas na carne.

Os testes de DNA indicaram ser corações indígenas. Não tinham sido as flechas que os mataram. Alguns começaram a lançar suas hipóteses, tudo indicava que o amor havia sido exterminado em SP. Talvez por força de ordens oficiais: Aqueles eram os índios mortos pelos bandeirantes, As flechas não os afetavam, ao contrário, mantinham vivo seu espírito guerreiro. E os corações enterrados mantinham viva a esperança de cidade.

Ainda hoje alguns desses corações pulsantes, alguns dos objetos encontrados nas escavações nas periferias, alguns dos relatos desses cientistas podem ser encontrados em longínquos museus espalhados pelo mundo. Porém em SP nada restou. Todos os corações foram desenterrados e a cidade não passa de uma lenda perdida no tempo.


Escrito por Paulo DAuria às 01h19
[] [envie esta mensagem] []


08/01/2015

enluarando


Escrito por Paulo DAuria às 10h49
[] [envie esta mensagem] []


27/12/2014

Realidade Muda



Fotografia: Óscar Curros

 

Parece que foi ontem, hoje. Não mudou nada, parece. Lembra? Já faz tempo eu vi você na rua, cabelo ao vento. Esquece. Há quem me chame — xingue — de idealista. Eu? Não sei. Há quem, admiro. Conformismo deriva de forma, estude latim. E não use realismo se não vive na realidade. Não põe os pés na calçada. Os buracos, o asfalto, o barro. A fome. A desesperança. A violência. E as crianças correndo no meio de tudo. Brincando. Sim, as crianças brincam. Ainda. Sempre. Lembra?
Hoje, parece ontem. Não mudou nada. Nunca.


Escrito por Paulo DAuria às 17h03
[] [envie esta mensagem] []


04/10/2014

Malcriada

Interpretação de Jefferson Messias para meu poema "Malcriada"


Escrito por Paulo DAuria às 17h54
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    Barriguinha Man
  Eu na Germina
  Lixo/Poesia na Germina
  Poetas do Tietê
  Pastando em São Paulo
  Sampictures
  O Trombone
  SP - 457
  Virada Cultural 2011
  Pescaria no Tietê


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog